O subsídio do Mês da Bíblia, elaborado pelo grupo Shema’, do Serviço de Animação Bíblica-Paulinas (SAB), objetiva oferecer um roteiro de círculos bíblicos para os grupos de reflexão e para as diferentes pastorais, movimentos, comunidades, proporcionando-lhes um encontro pessoal e comunitário com a Palavra, por meio do aprofundamento do livro do Deuteronômio, livro escolhido para o aprofundamento pela CNBB e pelas instituições bíblicas do Brasil, entre elas o SAB/Paulinas. O fascículo contém quatro encontros, uma celebração final e uma maratona bíblica. Cada encontro é precedido por um texto para aprofundar o tema que será discutido, partilhado e rezado pelo grupo.

O primeiro encontro aprofunda o primeiro discurso de Moisés e aspectos teológicos do segundo discurso, como a Teologia da Eleição e da Aliança, presente em Dt 6,4-9 e 7,7-16.  As leis descritas no segundo discurso formam o tema central do segundo encontro. O texto escolhido para a reflexão é Dt 15,1-11, no qual está o lema do mês bíblico de 2020. Esse trecho está no contexto do chamado “código deuteronomista”.

No terceiro encontro aprofundaremos o terceiro discurso do Deuteronômio, de forma especial Dt 30,11-20. Esse texto está num contexto de exortação, na qual é pedido ao povo que retorne ao Senhor e que se convença de que a obediência não é uma tarefa impossível, dado que a Lei é uma orientação para a vida humana e não é algo inacessível. A lei é um caminho para a vida, aberto a todos. Por isso, o texto termina conduzindo o leitor para uma escolha: a vida e a felicidade ou a morte e a infelicidade. O povo deve fazer essa escolha e o futuro de Israel depende dela.

O último encontro abordará o último discurso de Moisés, em Dt 31–34, dando prioridade ao texto de Dt 31,1-13. Esse trecho escolhido faz parte do cântico de Moisés, no qual o povo é preparado para a morte de Moisés e para acolher o seu sucessor, Josué. O texto termina com a transmissão das leis e das palavras de modo ritual, para que todos coloquem em prática tais ensinamentos, dados por Deus, e que devem ser conservados pelos anciãos, por meio da leitura periódica como forma de renovar a Aliança que foi estabelecida entre Deus e o povo.

A celebração final nos convida a louvar e agradecer a Deus pelo caminho percorrido pelo grupo ou comunidade no estudo do Livro do Deuteronômio. Como nos anos anteriores, foi elaborada uma maratona bíblica que poderá ser feita em seu grupo, sua paróquia, pastoral ou movimento, sendo inserida no subsídio.

Esperamos que o aprofundamento do Deuteronômio nos faça abrir nosso coração para ouvir a vontade de Deus, amá-lo com todo a nossa vida e assim abrir a mão para o irmão mais necessitado. Desse modo, o Mês da Bíblia não será apenas mais um mês temático, mas a oportunidade de fazer da Palavra de Deus o centro de nossa vida e também a seiva que nutre toda a ação evangelizadora da Igreja no Brasil (cf. CNBB. Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja do Brasil 2019-2023, n. 90-92).

Ir. Zuleica Silvano (Serviço de Animação Bíblica/Paulinas)